single image

Poucos corredores gostam de fazer exercícios específicos para as pernas. E, durante uma corrida ou treino longo, se queixam de dores musculares, principalmente na panturrilha. É comum ver maratonistas parar durante a prova alongar a parte posterior das pernas. Aí não tem mais remédio: é terminar a corrida e pensar seriamente em treinar as “batatas” das pernas.

Tão importante quanto os outros músculos das pernas, a tradicional panturrilha, é um músculo fácil de ser trabalhado porque é bastante concentrado e um ponto específico para o corredor. Se você não é um grande adepto da musculação e nem ao menos sente necessidade de trabalhar todos os grupos musculares, gastando não mais do que 15 minutos ao dia, pode-se alongar e fortalecer essa região tão destacada entre os atletas da corrida.

Segundo Rafael Leitão, treinador da Zonaalvo Assessoria, a região da panturrilha é formada por dois músculos: gastrocnêmio e sóleo. “O gastrocnêmio fica na região posterior da perna, abaixo dos joelhos e recobre outro músculo chamado sóleo (este conjunto é chamado de tríceps sural ou panturrilha)”, explica.

A Zonaalvo indica que esses músculos agem como flexores plantares, ou seja, empurram os pés para baixo e servindo como” molas”. “São músculos extremamente importantes para saltar e correr”, explica Rafael Leitão. “O músculo gastrocnêmio flexiona o joelho e o tornozelo e age de tal forma sobre essa articulação que nos permite ficar nas pontas dos pés (flexão plantar). Já o músculo sóleo só participa dos movimentos na articulação do tornozelo.”

Rafael ainda revela que a biomecânica da corrida utiliza esses músculos na fase inicial e na fase final da passada. “Força e resistência são essenciais ao músculo da panturrilha do corredor. Não esquecendo dos alongamentos no final da corrida, para prevenir lesões”, complementa.

Rafael Leitão
Zona Alvo Assessoria

Posts relacionados