Para se inspirar

Mais do que um hobby, Rose Brito considera a corrida uma terapia

single image

Já sabemos o quanto as atividades físicas são benéficas para pessoas de todas as idades. Nas crianças, a prática de esportes pode ser responsável por ajudar no desenvolvimento da socialização e na capacidade de trabalhar em equipe. Mas também não podemos esquecer que crianças ativas, possivelmente, serão adultos ativos e, por conseguinte, com melhor qualidade de vida. Foi exatamente isso que aconteceu com a atleta Rose Brito, que foi incentivada desde muito cedo a praticar atividade física e leva consigo esse hábito até hoje. 

Quando o esporte entrou em sua vida, Rose era apenas uma adolescente. Ela começou jogando handebol pelo time da escola e atualmente, aos 54 anos, é uma verdadeira apaixonada pela prática esportiva. Atleta de vôlei de praia e corrida, ela não para de superar os seus limites a cada dia que passa!

Amigos reunidos e bola para cima

Como uma carioca nata, Rose pratica vôlei de praia. Uma modalidade que não para de crescer e conquistar novos adeptos com o passar dos anos. Leblon, Ipanema, Copacabana e Leme, a orla do Rio de Janeiro é território do vôlei de praia, que fica dividido entre escolas de aprendizagem e treinamentos de jogadores profissionais. 

E a sua história no Rio de Janeiro vai além do vôlei, pois foi lá que ela formou sua família e teve dois filhos, Luísa e Eduardo, ambos atletas dessa modalidade. “Meus dois filhos são atletas de voleibol. Ambos estudam e jogam fora do país. Meu marido também já foi atleta, mas hoje em dia não faz atividade física regularmente”, conta Rose, que encontra na família um grande alicerce para seguir praticando o esporte.

De acordo com ela, mais do que os benefícios físicos, o vôlei de praia trouxe algo muito mais especial para a sua vida: novos amigos. São pessoas de diferentes gêneros e idades que fazem a experiência de jogar vôlei de praia muito melhor. É com elas que Rose aprende, treina, aperfeiçoa aspectos técnicos e compartilha experiências que vai levar para a vida toda.  

Superar os limites para cruzar a linha de chegada

Apesar de ter sido um ano atípico para muita gente por causa da pandemia, 2020 pode ser considerado o ano da virada na vida de Rose. Foi em abril deste ano que, mesmo com o isolamento e muitos atletas deixando os esportes de lado, a atleta decidiu superar os limites e tentar algo novo. E foi assim que a corrida entrou em sua vida. “Nunca gostei de correr, até começar. Já estava cansada de fazer caminhada. Experimentei correr 5 minutos e voltar a caminhar. No dia seguinte, aumentei para 10 minutos e continuava a caminhada. Na semana seguinte, corri 5 km sem parar. Aí gamei”, conta entusiasmada.

De lá para cá, Rose Brito já participou de diversas competições, entre elas: Bonito 21k, Meia Maratona do Cristo, Maratona do Vinho e Meia Maratona das Cataratas. “Minha melhor recordação foi quando eu corri a minha primeira prova de corrida em dezembro de 2021, a Bonito 21k. Corri 10 km e fiquei em segundo na minha categoria (50 a 54). Foi incrível! Nem por um momento poderia imaginar isso. Só queria completar a prova. Escolher correr em Bonito, no Mato Grosso do Sul, não foi à toa”, relata a esportista.

Para ir mais longe é preciso o auxílio de especialistas!

Uma rotina intensa de treinos faz parte do seu dia a dia. Ela faz musculação, treina vôlei de praia três vezes por semana e ainda intercala as práticas com corrida de rua.

Para que possa alcançar os objetivos desejados e consiga lidar da melhor forma com as temidas lesões, ela conta com o apoio de uma assessoria esportiva, a Tribus Adventure. De acordo com Rose, isso faz toda a diferença em seu desempenho. “Quando comecei a correr e fui me empolgando, achava que era só correr sem precisar de um acompanhamento. Então, veio a primeira lição que a corrida me deu. Tive uma lesão, um estiramento na posterior da coxa por excesso de treino. Então, fui ao fisioterapeuta e ele sugeriu que eu tivesse uma assessoria na corrida”, explica.

Rose ainda conta que depois desse estiramento na posterior, ela passou a ter um acompanhamento fisioterápico contínuo. “Já tive esporão de calcâneo, que levou oito meses para ficar bom. Hoje, corro sem qualquer dor no calcanhar graças a minha fisioterapeuta.”, ressalta.

Ultrapassar os limites dentro da quadra, correr muitos quilômetros, superar obstáculos como dor e exaustão, treinar faça chuva ou faça sol. Nenhum desafio parece ser grande demais para essa atleta que tem o vôlei de praia como o seu hobby predileto, mas é na corrida que encontra sua verdadeira terapia.

Sobre a atleta

Atleta Rose Brito

Várias mulheres em uma só. Rose Brito é mãe, esposa, corredora, jogadora de vôlei e gastrônoma. Ela viu a sua qualidade de vida melhorar consideravelmente quando, há 2 anos, começou a se dedicar à corrida. Feliz e de bem com a vida, Rose adora fazer novas amizades. Siga @rosebritosf e inspire-se para levar uma vida mais leve!

Posts relacionados

Carregue Mais