Alimentação

O jejum realmente é uma boa opção? Confira os cuidados desse estilo alimentar

single image

Viver em uma sociedade que tem como base a cultura da alimentação pode gerar muitos problemas para quem tem compulsões ou problemas com refeições em geral. Em adição, a religiosidade pode ser um fator a ser observado, principalmente quando o assunto é: os efeitos do jejum.

Esse estilo de vida, que controla o tempo sem comer, sempre foi comum, porém, quando o tema é emagrecimento, o jejum pode ser um grande problema, ainda mais se a pessoa não tiver hábitos saudáveis e uma alimentação adequada.

Para evitar problemas e entender como funcionam os efeitos do jejum, confira a seguir um pouco mais sobre o tema e quais as precauções para que essa ferramenta seja utilizada corretamente!

O que é jejum?

O jejum é um dos estilos de alimentação que coloca o corpo em ‘estado de alerta’, pois ele se encontra com baixo índice de nutrientes. Isso ocorre pelos grandes intervalos sem realizar refeições e, a partir disso, é possível ter alguns benefícios ou consequências.

Historicamente, o jejum fez parte da evolução humana, até porque era necessário caçar para comer. As refeições não eram tão simples e fáceis como hoje, dessa forma, ao não ter alimento, era necessário ficar horas sem uma refeição.

Com o passar dos anos, a evolução permitiu novos facilitadores e a tecnologia ajudou a regrar a alimentação de forma eficaz. Contudo, alguns elementos culturais, como a religião, ainda utilizam esse método, pois por fundamentos ou obrigações, é possível, ao realizar jejum, ter efeitos de limpeza e purificação do corpo e da mente.

Vale dizer que existem alguns tipos de jejum, como o caso do jejum intermitente (para regular peso) e jejum prolongado (ingestão exclusiva de líquidos), porém, este artigo não tem objetivo de desenvolver as particularidades de cada um.

Como funciona o jejum?

Como dito, o jejum coloca o corpo em estado de alerta, sendo assim, ao estar com baixo nível de alimento no organismo, o sangue será direcionado para os órgãos vitais (coração, cérebro e pulmão). Quando isso ocorre, existem algumas consequências, caso este a limpeza do trato intestinal. Em adição, outros efeitos do jejum incluem o trabalho da insulina no sangue com mais sensibilidade e a possibilidade de longevidade das células.

Normalmente, o jejum ocorre entre 8 e 24 horas, em até 4 vezes na semana. O tempo permitido para se alimentar é conhecido como janela de alimentação, contendo grupos específicos de alimentos, normalmente os de baixa ou nenhuma caloria.

Alimentação durante o jejum

Os alimentos permitidos são: água com ou sem gás, café e chás sem açúcar, frutas com casca, proteínas, legumes e verduras.

Os alimentos que devem ser evitados: alimentos ultraprocessados (biscoitos, bolachas, bolos, refrigerantes, barras de cereais e outros), massas, doces, alimentos industrializados e outros produtos refinados.

É importante lembrar que, os alimentos ingeridos são pensados para ter saciedade, sendo assim, busque por opções integrais. Outro fator é não compensar as horas que não comeu, dessa forma, faça refeições do tamanho que costuma consumir, sem excessos.

Quais os efeitos do jejum no corpo?

Quando o assunto são os efeitos do jejum, não podemos generalizar. É importante colocar em pauta que, ao adotar esse estilo de alimentação, por mais que consiga suprir alguns objetivos, é necessário ficar de olho em como o organismo como um todo vai reagir. Abaixo, eu te conto um pouco mais.

Efeitos do jejum na alimentação

Ficar horas sem comer vai resultar na redução de peso, porém, não será totalmente a gordura que estará perdendo, mas sim a massa muscular. Privar o corpo de alimento faz com que ele armazene o máximo de gordura possível, sendo assim, a ação metabólica começa a reduzir e outros componentes serão usados para manter o corpo funcionando.

Ou seja, ao estar praticando o jejum, ainda mais sem supervisão de um profissional, torna-se uma prática inviável, pois ao normalizar a rotina com as refeições nos devidos horários, o peso volta. Esse é o famoso efeito sanfona.

Outro efeito é a deficiência de vitaminas e minerais, pois o organismo está com baixas fontes de alimentos saudáveis para suprir as necessidades diárias.

Efeitos do jejum no corpo

Em relação ao corpo, existem efeitos do jejum que precisam ser destacados. Entre eles temos: desmaios, câimbras, queda de pressão e crises de hipoglicemia. Ou seja, tome muito cuidado caso invista nesse estilo de alimentação!

Ainda é necessário reforçar o efeito sanfona, pois o corpo não aguenta manter essa dieta por muito tempo, sendo assim, invariavelmente você vai retornar ao peso anterior. Talvez seja mais positivo investir na reeducação alimentar aliada a prática regular de exercícios físicos para obter os devidos resultados.

Efeitos do jejum nas emoções

Irritabilidade, ansiedade, falta de controle emocional, queda da concentração e memória deficiente. Essas são as consequências emocionais quando o jejum está presente. Não pense que evitar alimentos para emagrecer vai impactar apenas no peso, pelo contrário, a qualidade de vida como um todo pode ficar debilitada.

Outro efeito é ficar mais sujeito a cometer erros, pois a atenção não estará estabilizada. Pela falta de combustível no corpo, o organismo vai tentar manter as funções vitais para sobreviver, sendo assim, se deseja manter o emprego e uma saúde mental saudável, cuidado ao entrar em jejum!

Por fim, ao passar pelo efeito sanfona, sensações de fracasso ou objetivo não cumprido podem surgir, sendo assim, busque um nutricionista para acompanhar seu estilo de vida, assim você evita distúrbios alimentares e demais riscos causados por uma alimentação debilitada. 

É possível ter benefícios com os efeitos do jejum?

Sim, é possível! Contudo, os benefícios só serão perceptíveis se você mudar o estilo de vida. É importante sair do sedentarismo, entender o ritmo da alimentação e selecionar melhor os nutrientes de boa qualidade para que o organismo saiba lidar com as refeições.

A partir disso, os efeitos do jejum são positivos e será possível lidar com as variações de horário, como ficar em jejum de 8 horas, 12 horas, 16 ou até 24 horas. Mas novamente, é importante ressaltar que um jejum de qualidade será viável se você seguir as devidas recomendações. Se nenhum dos passos acima for seguido, o jejum não irá servir de nada!

Ou seja, com um jejum bem executado, é possível ter qualidade de vida. Mas para isso, é importante ter periodização, controle e uma alimentação que contenha todos os grupos alimentares na quantidade ideal, assim é possível ter boa saúde e autoconhecimento.

Outros benefícios possíveis são:

  • Evita o envelhecimento precoce das células.
  • Diminui os níveis de triglicérides e, consequentemente, riscos de doenças cardíacas.
  • Normaliza a sensibilidade à insulina.
  • Ajuda aqueles que precisam controlar o peso.

Afinal, o jejum é para todos?

O jejum pode ser recomendado para todas as pessoas que não apresentam comorbidades, ou seja, algum problema de saúde específico que não permita esse estilo de vida. Em adição, é importante ressaltar que esse hábito será benéfico para você, caso tenha uma ingestão de nutrientes adequados, como comida verdadeira e sem ultraprocessados!

Sendo assim, é possível perceber os efeitos do jejum de maneira positiva, porém, é importante ter acompanhamento profissional, reconhecer as necessidades do organismo e qual o seu objetivo com essa ferramenta. Se for emagrecimento, existem outras formas mais seguras para obter bons resultados.

Pense neste assunto com atenção e apenas invista no jejum se ele valer a pena!

Referência

O jejum intermitente faz bem ou mal à saúde?

O que acontece com nosso corpo quando estamos em jejum

Posts relacionados

Carregue Mais