Alimentação

Conheça agora 8 tipos de adoçantes para a sua dieta!

single image

Quando se fala em dieta, a primeira coisa que irá ser feita para regular a alimentação é cortar o açúcar e qualquer alimento que seja calórico, como o excesso de doce. No caminho, para não ficar com um cardápio alimentar pesado, as pessoas buscam por alimentos ou ingredientes substitutos que não irão atrapalhar as refeições e assim irão consumir algo que gostem. Entre as opções, a população pesquisa bastante quais são os tipos de adoçantes possíveis para remover o açúcar processado do dia a dia.

Isso acontece, pois tomar café, preparar um bolo ou até fazer uma massa requer a utilização da sacarose (açúcar refinado), sendo ele um alimento com pouca fibra ou nutriente, porém muito calórico. Alguns optam pelos açúcares naturais, como o mascavo, mas em muitos casos o consumo ainda é em excesso.

Sendo assim, os adoçantes estão crescendo em popularidade, então é bom conhecer cada tipo e qual a melhor opção para investir. Por acaso você sabe quais são os tipos de adoçantes? Fique aqui para descobrir!

O que são adoçantes?

Uma das preocupações de uma parcela da sociedade são as doenças causadas pelo consumo em excesso do açúcar, como a obesidade e o risco de desenvolver diabetes. Porém, para contornar a situação, além da prática regular de atividade física, as pessoas buscam mudar os hábitos alimentares.

Para isso, pensando no bem-estar, mas não deixando de ter o gosto doce nas refeições, é comum utilizar os adoçantes, que são substitutos do açúcar refinado. Eles podem ser tanto naturais como sintéticos e, ambos consumidos de maneira equilibrada, são benéficos, pois não causam a elevação dos níveis de glicose no sangue, além de terem uma quantidade baixa de calorias em relação à sacarose (açúcar comum). Conheça brevemente cada um deles.

Adoçantes naturais

Os adoçantes naturais são aqueles que são retirados da natureza e, além de terem a composição apenas dos vegetais e frutas, eles não passam por processos laboratoriais químicos que alteram sua composição. Entre os mais comuns temos:

  • Estévia
  • Frutose
  • Xilitol

Adoçantes artificiais

Já os adoçantes artificiais são aqueles que passam por um processo laboratorial, ou seja, são criados para consumo. Provavelmente você já teve um contato com esses produtos se tentou reduzir o consumo de açúcar e buscou por produtos diet, seja em refrigerantes ou doces. A indústria utiliza os adoçantes artificiais com frequência e os mais comuns são:

  • Aspartame
  • Sucralose

Logo abaixo você confere um pouco mais sobre os tipos de adoçantes.

Tipos de adoçantes

A lista dos tipos de adoçantes é enorme e ela irá variar de acordo com a necessidade de quem está consumindo. É possível buscar por muitas opções naturais, mas também utilizar os artificiais com moderação para não remover o gosto doce das suas refeições. Seguem 8 tipos de adoçantes para o seu dia a dia:

1. Aspartame

Começando com uma opção artificial, o aspartame é um adoçante formado a partir de dois aminoácidos: ácido aspártico e fenilalanina (ambos encontrados naturalmente em alguns alimentos). Ele chega a adoçar até 200 vezes mais que o açúcar comum, então é uma escolha recorrente para quem deseja adoçar bebidas.

Uma das atenções para o aspartame é que ele não deve ser levado ao fogo, pois perde suas propriedades quando aquecido, além de remover o gosto doce que ele proporciona. Assim como qualquer adoçante, ele deve ser consumido com moderação!

2. Eritritol

Agora apresentando uma opção natural, o eritritol é um adoçante feito a partir da fermentação da sacarose, mas é uma substância encontrada nas frutas também. Ele tem uma similaridade com o xilitol, tanto no sabor quanto nas formas de aplicação.

Diferente do aspartame, o eritritol pode ser aquecido que não irá perder suas propriedades. Uma curiosidade é que, quando levado em altas temperturas, ele pode ganhar uma aparência caramelizada, assim como o açúcar. Por ser uma opção com baixo teor calórico, quando se realiza a substituição é possível colocar um pouco mais que o costume.

3. Frutose

Pelo nome, acho que já dá para saber de onde é a origem desse adoçante, correto? A frutose é o açúcar presente nas frutas, mas que também é encontrado em alguns cereais e no mel. Para virar um adoçante e conseguir ser vendido, a frutose será isolada e transformada em um pó branco com alto poder de edulcorante (capacidade de adoçar). O valor chega a aproximadamente 170 vezes o da sacarose.

Ou seja, por ser uma opção que adoça com muito pouco, a indústria alimentícia usa com bastante frequência. Você pode usar nas suas receitas caseiras, mas tenha cuidado para não exagerar. Agora, caso deseje ingerir a partir da fruta, o consumo é liberado!

4. Mel puro

O mel é uma opção de adoçante natural muito comum nos lares brasileiros, contudo, muitos não o utilizam no cotidiano. Sua presença é bem comum na hora de preparar alimentos doces, como massas de bolo.

Ele é uma escolha saudável e que entrega muitos benefícios ao corpo, caso seja consumido na sua forma pura e não pasteurizada. A média é de 64 calorias por colher de sopa, mas fornece vitaminas, cálcio, ferro, potássio e muitos outros nutrientes para o corpo. Vale lembrar que essa opção não é muito indicada aos diabéticos!

5. Sorbitol

Outra opção natural, o sorbitol é um açúcar extraído de algumas frutas como a maçã e que também é encontrado em algas marinhas. O poder adoçante chega a ser 50% maior que a sacarose, contudo apresenta baixo valor calórico. É possível utilizar o sorbitol em alguns alimentos como:

  • Balas
  • Biscoitos
  • Geleias
  • Refrigerantes

Contudo, é necessário ficar atento sobre o uso de sorbitol já que seu consumo também não é recomendado para pessoas diabéticas. Também é possível ter alguns efeitos colaterais na aplicação desse adoçante, como náuseas e desidratação. Sendo assim, consulte um nutricionista para realizar exames periódicos e ver se ele é uma boa opção.

6. Stévia

A Stévia é um adoçante popular e que muitos consomem quando desejam cortar o açúcar da dieta. Ela é produzida através de uma planta nativa da América do Sul, conhecida como Stevia rebaudiana. O poder adoçante da Stévia é tão alto que chega a ser 400 vezes maior que o do açúcar.

A sua usabilidade costuma ser livre, pois pode ser colocada tanto em bebidas como em alimentos. Ela também pode ser levada para altas temperaturas, pois não perde o seu sabor nem propriedades.

Uma curiosidade é que algumas pessoas dizem sentir um gosto amargo ao consumir esse adoçante, mas irá depender da fabricação e se o produto tem algum outro componente. É possível encontrar Stévia em pacotes, tabletes dissolúveis e até em gotinhas. Ele contém zero caloria e carboidratos, então é uma escolha viável para diabéticos.

7. Sucralose

Mais um adoçante popular, a sucralose tem sua origem natural, mas sofre modificações químicas para chegar na mesa dos brasileiros. Ela advém da cana-de-açúcar, porém existe um processo laboratorial para virar o adoçante que muita gente consome.

Ela tem um forte sabor doce e não possui gosto amargo. É considerado um dos adoçantes artificiais que mais chegam perto do açúcar. Sua utilidade pode variar, desde para bebidas como café, até para preparos culinários, pois é possível submeter a sucralose a altas temperaturas.

8. Xilitol

Por fim, uma opção fit e que é consumida por muitos atletas é o xilitol. Ele tem sua origem na fibra de muitos vegetais, consegue adoçar de modo similar a sacarose e não aumenta os níveis de glicose no sangue. Ele ainda pode ajudar a prevenir a osteoporose e diminuir os riscos de cáries nos dentes. 

A ressalva vai apenas para o excesso, pois pode causar problemas digestivos, além de não ser indicado para mulheres que estão em período de gestação ou em processo de amamentação. Caso esse seja o seu caso, busque por outras opções que estão na lista!

Adoce sua rotina!

Como foi possível perceber, existem inúmeras opções para substituir o açúcar comum na nossa rotina. Os adoçantes estão cada dia mais populares, além de atender necessidades específicas de uso.

Desde pessoas em dietas, com alimentação restrita ou até com problemas cardiovasculares, existe um tipo específico de adoçante que será útil na rotina de cada um. Basta uma simples pesquisada para achar o ideal. E vale lembrar que o devido acompanhamento nutricional também é essencial para esses casos, caso esteja fazendo a substituição do açúcar por adoçante!

Espero que tenham gostado do conteúdo. Para assuntos semelhantes, não esqueça de assinar a nossa newsletter!


1 Comentário

Deixar um comentário

Fique tranquilo que não publicamos o seu endereço de email.

Posts relacionados