Práticas esportivas

Saiba os casos em que a prática de atividade física pode ser contraindicada

single image

Entrar em forma, ter uma vida saudável, manter o desempenho, melhorar o condicionamento e até desacelerar a mente. São inúmeros os motivos que inspiram os atletas a praticarem atividades físicas, mas para que todos esses incontáveis benefícios sejam aproveitados plenamente, existe também um ponto muito importante que deve ser alvo de atenção: a contraindicação esportiva. 

Viver uma rotina ativa é a recomendação de praticamente todos os profissionais ligados a área da saúde, já que ela está diretamente associada à prevenção de doenças, aumento de serotonina – o hormônio da felicidade e disposição – e fortalecimento da musculatura, além de fazer com que o dia a dia tenha mais leveza e saúde. Mas como você que é atleta já deve saber, toda regra tem sua exceção.

Apesar de suas numerosas e indiscutíveis vantagens, um programa de exercício deve ser criado com cuidados profissionais, levando em conta a individualidade de cada um, seus objetivos e condicionamento. A partir desse estudo especializado é possível analisar riscos, direcionar o atleta para o treino mais indicado e, principalmente, enxergar os casos em que há alguma contraindicação esportiva. É o que diz a Educadora Física e pós-graduada em Treinamento Desportivo, Patrícia Kojima: “Todos devem de alguma forma praticar exercícios, porém há algumas atividades que são contraindicadas para algumas pessoas devido a alguma condição que ela tenha. Somente o profissional de educação física pode indicar a melhor atividade física para aquela pessoa.”

Quais os casos onde há contraindicação esportiva?

De acordo com a treinadora, a contraindicação esportiva diz mais respeito a forma e aos tipos de exercícios que serão praticados do que a proibição de os executar. A grande sacada aqui é aliar a prática ao acompanhamento profissional.

“Não sei se eu diria que há alguma restrição que realmente impeça alguém de praticar um esporte. O que pode acontecer é a pessoa ter alguma condição que não a possibilite fazer aquela modalidade em sua totalidade (daí o surgimento do esporte adaptado). Sou muito a favor de que todos pratiquem exercícios, dentro de suas possibilidades e limitações, pois o indivíduo nunca saíra perdendo. O corpo foi feito para o movimento” reforça Patrícia, que é taxativa quando o assunto é acompanhamento profissional. Para ela, antes de praticar os exercícios, é necessário que alguns casos sejam analisados com bastante cautela, como por exemplo:

Atletas com doenças ligadas ao coração

Os cardiopatas, ou seja, pessoas com alguma patologia relacionada ao coração, devem prestar atenção no nível de esforço realizado durante o exercício. Isso ocorre porque com o aumento da frequência cardíaca provocado pela atividade física, é possível que haja também algumas complicações, como infarto ou AVC.

É importante lembrar também que, se feita corretamente e com o auxílio de um profissional, a prática esportiva pode reduzir os sintomas da doença e melhorar a qualidade de vida do atleta. 

Crianças e idosos

Existe um mito de que há contraindicação esportiva para crianças que estão em fase de desenvolvimento e também em idosos, devido ao condicionamento que pode estar comprometido. Mas, de acordo com Patrícia, essas afirmações do senso comum já caíram por terra há anos e nos dois casos a prática de exercício é recomendada, pois traz consigo o benefício de fortalecer a musculatura, permitindo um melhor desenvolvimento ósseo para as crianças e menor chance de quedas e fraturas para os idosos.

“Para ambos haverá fortalecimento muscular, que permite um melhor desenvolvimento ósseo, claro que para cada grupo com uma finalidade diferente. O idoso deve praticar exercícios porque perde massa magra com o decorrer da idade.”, incentiva a treinadora.

Durante a gestação

Praticar exercícios faz muito bem para a gestante, desde que alguns cuidados sejam tomados e que haja supervisão de um profissional. Em alguns casos a prática é totalmente contraindicada, como quando há problemas graves de hipertensão, doença cardíaca, pré-eclâmpsia e histórico de abortos espontâneos.

Outro fator que deve ser sempre levado em consideração são os casos de dores no peito durante o exercício, contrações uterinas em intervalos curtos, falta de ar e dores constantes nas costas.

Em momentos em que seu corpo precisa de descanso

Após competições intensas o seu corpo precisa descansar para repor a massa muscular perdida, diminuir a ocorrência de lesões e recarregar as energias. A pausa também é indicada quando sinais de baixa imunidade são apresentados, pois praticar exercícios durante gripes e resfriados pode fazer com o que os sintomas se agravem e que a recuperação total seja ainda mais lenta.

Período pós-cirúrgico

Cada cirurgia tem um pós-operatório com cuidados específicos. Por isso, nesse caso, a atividade física só pode ser realizada após liberação do médico. Um profissional capacitado nessas horas também faz toda diferença, pois, sob as orientações médicas, ele poderá montar exercícios adaptados e com a intensidade certa para que não haja danos.

Um treino feito com orientação profissional reduz o risco de contraindicações esportivas no futuro

A verdade é que falar sobre as contraindicações é tão importante quanto incentivar uma vida ativa. A ideia aqui é que todos possam ter, de alguma forma, um exercício feito para a sua particularidade. Assim evitamos danos com o esporte e podemos aproveitar ao máximo os benefícios que a prática pode nos trazer.

Para que isso aconteça da forma mais segura, o ideal é nunca abrir mão da orientação de um profissional de educação física para montar treinos de acordo com as peculiaridades de cada um. “Se por algum motivo ela não puder praticar aquela modalidade em específico, o profissional indicará alguma outra dentro das possibilidades dela. Nunca pratique exercícios sem orientação profissional, essa é a maior dica para se evitar danos e lesões em qualquer atividade física”, finaliza a treinadora.

 Sobre a Treinadora:

treinadora Patricia KojimaPatrícia Kojima é formada em Educação Física com pós-graduação em Treinamento Desportivo e especialização em Treinamento funcional e Corrida de Rua. Ela possui um estúdio e assessoria própria: Assessoria e Estúdio Funcional Patrícia Kojima.

Siga ela em @aepatriciakojima

Referências: 

Contraindicação para a Prática de Atividade Física

Quando a atividade física não é indicada

Deixar um comentário

Fique tranquilo que não publicamos o seu endereço de email.

Posts relacionados