Qualidade de vida

O que é a canelite e como se prevenir dessa síndrome?

single image

A síndrome do estresse tibial medial, ou canelite, é uma condição clínica que, geralmente, ocorre durante ou após atividades físicas de alto impacto. Caracterizada por dores na canela, inchaço e até vermelhidão, muitos atletas convivem com esses incômodos e não sabem como tratar canelite, afetando a performance e qualidade de vida.

Também, esse problema está ligado ao desempenho de um atleta, uma vez que os sintomas podem limitar a sua capacidade de realizar movimentos essenciais durante o treinamento e competições.

Por isso, se você quer compreender todas as causas e como se prevenir da síndrome do estresse tibial medial, bem como as estratégias para precaução, a fim de manter um estilo de vida ativo e saudável, fique aqui para saber como tratar canelite. 

O que é a canelite?

A canelite é um transtorno que afeta a tíbia, osso da canela localizado na parte frontal da perna. Ela é caracterizada por dor e inflamação na região, logo acima do tornozelo.

Normalmente, a síndrome é associada a atividades físicas de alto impacto, como a corrida, e ocorre quando o osso e os músculos da perna são submetidos a estresse repetitivo e excessivo, levando a pequenas lesões. 

Tipos de canelite

A síndrome do estresse tibial medial pode ser classificada em dois tipos principais que diferem em termos de localização e sintomas. 

O primeiro é conhecido como canelite tibial anterior e é o tipo mais comum da síndrome. Ele ocorre quando os músculos e o osso da tíbia na parte frontal da perna são afetados devido ao excesso de estresse e impacto repetitivo, resultando em inflamação dos músculos e microfraturas no osso. 

O segundo, canelite tibial posterior, embora seja menos comum, apresenta riscos e problemas para aqueles que a desenvolvem. Essa condição provoca dor ao longo da parte interna da perna devido ao estresse repetitivo no tendão tibial posterior, afetando a estabilidade do tornozelo e a mobilidade.

Canelite no mundo esportivo

A canelite é uma condição comum no mundo esportivo. Apesar da sua presença não ser limitada a um esporte específico, a síndrome costuma ser uma das lesões mais complicadas para os corredores. 

Isso porque ela pode demorar consideravelmente para se curar completamente, interrompendo os treinos por um período mais longo se comparado com outras contusões relacionadas ao esporte.

Causas da canelite na corrida

Na corrida, o problema pode ser desencadeado por vários fatores, sendo a biomecânica individual um dos principais. Por isso, a maneira como uma pessoa corre, incluindo sua técnica de movimento e padrão de pisada, podem influenciar diretamente no desenvolvimento da síndrome. 

Também, andar de forma inadequada pode aumentar a carga sobre a tíbia, contribuindo para o desenvolvimento da canelite. Ainda, a escolha de calçados incorretos também pode ser um fator de risco, já que alguns tênis podem não ter amortecimento suficiente ou apresentar desgastes que, se utilizados frequentemente, podem agravar a tensão nas pernas durante a corrida.

Além disso, o aumento repentino da intensidade ou duração dos treinamentos também é uma questão a considerar. Corredores que não seguem um plano de treino progressivo e que tentam fazer muito em pouco tempo podem sobrecarregar os músculos e ossos da perna, aumentando o risco de canelite.

Quais os principais sintomas da canelite?

O sintoma mais característico da canelite é a presença de dor na região da canela. Geralmente, essa dor se manifesta inicialmente no início da atividade física, podendo apresentar uma melhora temporária à medida que o atleta se aquece, mas que tende a retornar após o término do exercício. 

Também, a síndrome pode causar desconforto constante, inclusive em repouso, e pode apresentar inchaço na área afetada. Essas manifestações combinadas, especialmente a dor recorrente, são indicativos do problema, que pode ser causado por alguns fatores que contribuem para o seu desenvolvimento. 

Para mais detalhes, confira outros sintomas da canelite:

1. Aumento repentino da intensidade e/ou duração dos treinos

O aumento repentino da intensidade e/ou duração dos treinos pode desencadear a canelite. Isso porque, quando o atleta decide intensificar seus treinos, ele expõe os músculos e ossos das pernas a uma carga excessiva. 

Assim, esse estresse adicional, principalmente se combinado com outros fatores (como uma técnica de movimento inadequada), pode sobrecarregar a tíbia, levando ao desenvolvimento da síndrome.

2. Treinos em superfícies duras ou irregulares

Treinar em superfícies duras ou irregulares representa um fator de risco para o desenvolvimento da canelite em atletas. Correr no asfalto ou concreto, por exemplo, não absorve o impacto da mesma forma que superfícies mais macias. 

Além disso, treinar em superfícies irregulares, como terrenos inclinados, pode aumentar ainda mais o risco de canelite. A instabilidade desses solos requer um esforço maior dos músculos da perna para manter o equilíbrio, o que pode sobrecarregar a tíbia.

3. Pisada errada

A maneira como uma pessoa pisa ao correr pode afetar a distribuição do impacto sobre os pés e pernas. Uma pisada inadequada pode resultar em uma absorção de choque ineficiente e numa sobrecarga na tíbia e nos músculos ao redor. 

Essa carga repetitiva e desigual pode levar ao surgimento da canelite. Entretanto, exames de biomecânica podem identificar desvios nas passadas e orientar a escolha de calçados adequados e/ou até mesmo a utilização de palmilhas ortopédicas para melhorar a distribuição de pressão. 

4. Falta de alongamento

A falta de alongamento é um fator que pode contribuir para o desenvolvimento da canelite em atletas que praticam esportes de alto impacto. A prática pode ajudar na preparação dos músculos e tendões para a atividade física, ajudando a aumentar a flexibilidade e a amplitude de movimento.

Quando os músculos estão tensos, eles podem exercer uma pressão adicional sobre os ossos da perna durante o exercício, levando a microlesões nos tecidos e, consequentemente, à inflamação na região da canela.

Por isso, em qualquer sinal ou sintoma de canelite, o recomendado é buscar auxílio médico imediatamente. A síndrome do estresse tibial medial não é uma condição que deve ser ignorada, pois, se não tratada adequadamente, pode progredir para lesões mais graves.

Como tratar canelite?

O tratamento da canelite envolve uma abordagem que visa aliviar os sintomas, promover a cura e prevenir recorrências. Em primeiro lugar, o repouso é essencial, por isso, reduzir a intensidade ou interromper temporariamente a atividade física permite que os tecidos inflamados na região da canela se recuperem. 

Também, aplicar gelo na área afetada pode ajudar a reduzir a inflamação e aliviar a dor, sendo recomendado fazer isso por cerca de 15 a 20 minutos entre 2 a 4 horas.

Outras iniciativas podem ajudar a prevenir a síndrome do estresse tibial medial, como:

Portanto, ao adotar essas práticas, é possível reduzir significativamente o risco de desenvolver canelite e manter um bom desempenho esportivo.

O que acontece se eu não tratar canelite?

À medida que a inflamação e as microlesões na tíbia e nos músculos da perna persistem sem tratamento, a dor na canela tende a piorar e pode se tornar crônica. Essa dor pode ser debilitante, interferindo não apenas nas atividades esportivas, mas também nas atividades diárias normais.

Além disso, se a síndrome não for tratada pode levar a complicações mais sérias, como fraturas por estresse nos ossos da perna, que podem ocorrer quando o osso já enfraquecido pela canelite cede sob a pressão repetitiva. 

O tratamento de fraturas por estresse é mais complexo e pode envolver imobilização prolongada, cirurgia e um período de recuperação substancial. Assim, evitar a recuperação adequada não apenas prejudica a qualidade de vida, mas também pode afetar psicologicamente o atleta, causando frustração e desmotivação em relação à atividade física. 

Portanto, é importante reconhecer os sinais precoces de canelite, buscar orientação médica e seguir um plano de tratamento adequado para prevenir problemas futuros e manter a saúde e a mobilidade a longo prazo.

Fique livre da canelite!

Se você quer evitar a canelite e preservar o seu desempenho esportivo, saiba que é essencial adotar medidas preventivas.

Em primeiro lugar, a progressão gradual nos treinos é importante, porém, evite aumentar repentinamente a intensidade ou duração das atividades físicas, permitindo que seu corpo se adapte gradualmente às demandas. Isso reduzirá a tensão nos músculos e ossos da perna, minimizando o risco de possíveis lesões

Também, busque ajuda de treinadores para que você tenha orientações específicas para a sua prática esportiva, evitando o surgimento da síndrome. 

Por fim, não subestime a importância do descanso e inclua sessões regulares de alongamento e fortalecimento muscular em sua rotina. Ao adotar essas medidas preventivas, você não apenas irá manter um bom desempenho esportivo, mas também evitará os problemas causados pela canelite.

Referências

Canelite: saiba as causas e como tratar o problema

Treinamento adequado pode evitar as dores na canela, a popular canelite