Práticas esportivas

O certo e errado na corrida: saiba como aumentar sua performance com segurança

single image

Democrática, com baixo ou até nenhum custo e flexível, a corrida é uma prática popular que muitos atletas e iniciantes recorrem para manterem-se ativos. Junto a ela, um bom acompanhamento profissional, rotina saudável e técnicas de exercício podem aumentar os benefícios do esporte, desde que sejam também observados o que é certo e o que é errado para se fazer durante a corrida.

Segundo o treinador e atleta Rafael Santos, para que a corrida seja praticada de forma correta, é ideal que se observe o condicionamento físico em que a pessoa se encontra, suas capacidades motoras, técnicas e respiratórias. “O profissional deve entender o que limita o atleta, onde começam as dificuldades e, a partir disso, determinar o que é leve, moderado, ritmado e forte na rotina de treinos”, conta.  

Os acessórios esportivos também entram como auxiliadores durante os exercícios, desde que sejam bem avaliados e atendam as especificações de cada um, como anatomia, estatura, peso, quadril, formato dos pés e, é claro, o objetivo que se deseja alcançar com os equipamentos.

A corrida na prática

Para começar a praticar corrida, primeiramente é preciso se perguntar: aonde você quer chegar? A partir daí, é necessário fazer uma avaliação física para entender onde o futuro corredor está e como ele pode alcançar o objetivo traçado. Para o treinador, o maior erro neste momento é pular etapas e não levar em consideração o caminho correto para a evolução na performance. “Uma dose errada de exercícios, sem planejamento, sem avaliação, impede que o atleta desenvolva uma metodologia segura de treinos que o faça evoluir”, alerta Rafael.

Além disso, o atleta também deve levar em consideração a sua consciência corporal, para que, a partir disso, possa desenvolver uma melhor economia de movimento durante a corrida, já que essa é uma prática com biomecânica econômica. “A biomecânica, o posicionamento, os ângulos de braços, troncos, quadris e até a movimentação de pernas podem ser desenvolvidas com calma, o que não podem é ser deixadas de lado.”, completa o profissional, que também reforça a importância da pisada ideal, que deve ser avaliada e alterada com cautela, para que não ocorram mudanças bruscas que resultem em lesões. Nesse caso, o tênis ideal pode ser um bom aliado, como um modelo de amortecimento para quem já está em longas distâncias ou de performance para quem corre há mais tempo. “Tudo depende da característica do pé e de muitos outros fatores, por isso é tão importante a avaliação física.”, reforça.

Movimento também é saber a hora de parar

A rotina saudável e ativa traz diversos benefícios, mas para aproveitá-los ao máximo é necessário ter cautela. De acordo com Rafael, o primeiro passo é sempre se precaver na hora de treinar e, para ele, a principal precaução é o acompanhamento profissional: “O treinador vai evitar que o atleta cometa excessos ou comprometa seu tempo de recuperação corporal e o dia off.”, explica.

Portanto, estar em movimento é também saber os seus limites, ter uma boa orientação e avaliar o que o corpo necessita, no tempo em que ele pode executar. E, ao contrário do que se pode pensar, treinar todos os dias não é a fórmula mágica da performance ideal: “Treinar todos os dias depende do nível do aluno, se for iniciante é possível que esse excesso gere lesões. O treino diário é indicado apenas para atletas avançados, que tenham o corpo bem adaptado para os movimentos”, finaliza.

Sobre o treinador

Rafael Santos é treinador da equipe RP Move. Como mesmo se define, é um apaixonado pelo movimento e vivendo essa paixão já concluiu 6 maratonas, mais de 10 meias maratonas e 2 meios Ironman 70.3.

Deixar um comentário

Fique tranquilo que não publicamos o seu endereço de email.

Posts relacionados