Qualidade de vida

Como o burnout afeta o seu rendimento esportivo?

single image

Já parou para pensar que o seu dia a dia de treinos pode estar pesado demais? Ou até mesmo que  o seu corpo está exigindo mais do que sua mente está preparada no momento? Sensação de esgotamento, ansiedade, insônia e ao mesmo tempo rotinas intensas de treinos. Tudo isso pode ser sintoma da síndrome de burnout esportivo, um distúrbio psíquico causado pela exaustão extrema, sempre relacionada ao trabalho de um indivíduo. 

Essa condição também é chamada de “síndrome do esgotamento profissional” e afeta quase todas as facetas da vida de um indivíduo, inclusive no esporte.

Burnout no esporte

De acordo com a psicóloga do esporte, Letícia Capuruço, o burnout no esporte se desenvolve como consequência ou manifestação de um estresse excessivo e crônico e apresenta exaustão física e emocional em que há uma sobrecarga associada às demandas de treinos, viagens e competições, reduzindo o senso de realização esportiva. Além disso, o atleta pode alcançar o estágio de desvalorização esportiva, quando para de se preocupar com o seu rendimento e com o seu envolvimento dentro do meio esportivo. 

Suas causas estão relacionadas principalmente às dificuldades de relacionamento com o treinador, altas demandas competitivas, monotonia dos treinamentos, falta de habilidades esportivas, decepção das expectativas iniciais com os resultados finais obtidos, interesses financeiros dos pais, ausência ou redução da vida pessoal fora do esporte, falta de apoio de familiares e amigos, excessivas demandas de energia e tempo, sentimento de isolamento frente à equipe técnica e, finalmente, carência de reforços positivos pelos resultados conseguidos.

A profissional também reforça que a queda de rendimento pode ser um sintoma claro de burnout esportivo. “A pressão por vitórias aumenta o estresse, e a ausência de resultados positivos pode levar à saturação desencadeadora da síndrome, que possui como uma de suas principais consequências a desistência da atividade competitiva, atitude conhecida como dropout, ou seja, o abandono do esporte em virtude da falta de prazer, de recompensas estáveis ou reduzidas, de custos elevados, de pouca satisfação, do aumento de alternativas e de baixo investimento em relação à carreira atlética”, alerta Letícia.

Será que estou com burnout?

Para identificar a síndrome de burnout, deve-se levar em consideração as três formas em que ela pode aparecer: física (como a falta de apetite), psicológica (ansiedade e irritabilidade) e comportamental (dificuldade de concentração e isolamento). Há ainda uma mistura dos três tipos de sintomas.

Físicos: falta de apetite, cansaço, insônia, gastrite, úlceras.

Psicológicos: ansiedade, irritabilidade, depressão, frustração.

Comportamentais: falta de flexibilidade para lidar com dificuldades do cotidiano, hostilidade, dificuldade de concentração, aumento de conflitos, falta de vontade de ir ao trabalho, vontade de fazer longas pausas de descanso, apatia em relação ao técnico e ao clube, no caso de atletas, isolamento, exaustão emocional.

Como treinar o corpo sem sobrecarregar a mente?

Para se proteger do desgaste emocional, o atleta pode prevenir ou controlar o burnout a partir do processo cognitivo de reconhecimento e avaliação e estratégias de enfrentamento dos fatores geradores de estresse no ambiente esportivo. “Os jovens atletas, especialmente as crianças, devem evitar o aprofundamento prematuro e buscar a formação multilateral, com a prática de diversas modalidades esportivas. Outra opção para evitar a síndrome em atletas é apostar em estratégias de coping, que são mecanismos de enfrentamento em relação a situações de cobrança, dano ou ameaça, e inovar para tornar as atividades mais prazerosas.” explica a psicóloga.

O(a) profissional de educação física também tem um papel importante nessa prevenção. “O treinamento técnico tem que ser capaz de formar valores, de formar seres humanos íntegros, preservando sempre sua saúde física, mental e psíquica e com qualidade de vida. Não basta formar um atleta campeão mundial aos 14-15 anos e que com 18 anos esteja abandonando o esporte e, pior ainda, que durante todo esse tempo não foi orientado, não recebeu a devida formação”, alerta Letícia que defende a importância de encorajar os atletas a se tornarem menos dependentes e mais autônomos em suas decisões, sendo imprescindível também que profissionais da Educação Física e do esporte, aliados aos conhecimentos da Psicologia, saibam o que é a síndrome de burnout, como identificá-la e que assim possam saber lidar com ela durante suas atuações. Segundo ela, definir a síndrome dos demais males que possam afetar a vida de um atleta, também é competência do profissional da Educação Física.

Além desses cuidados, Letícia salienta que não é recomendado tratar do burnout sozinho e que não procurar ajuda pode fazer com que o atleta não volte ao alto rendimento, abandone o esporte e até apresente quadros de depressão e ansiedade extrema. “A psicoterapia é sempre a mais indicada. O psicólogo ou psicoterapeuta pode ajudar a encontrar estratégias para aliviar o estresse, a ansiedade e a depressão, que incluirão mudanças de hábitos do dia a dia. Em casos mais graves, pode também indicar um psiquiatra, para tratamento com medicação, através de antidepressivos ou ansiolíticos, informa.

O burnout esportivo no alto desempenho

A necessidade de levar atletas ao limite e conseguir sempre o melhor desempenho pode fazer com que a rotina de treinamentos se transforme em burnout. De acordo com a psicóloga, esse constante aumento dos níveis de resultados esportivos obriga técnicos e atletas a explorarem cada vez mais os limites de rendimento do alto nível de exigência, refletindo no processo metodológico-organizativo. “É muito comum atletas, quando atingem o nível profissional, desistirem do esporte, abandonarem a carreira esportiva. O nível de exigência é tão alto que se um atleta não tiver um acompanhamento psicológico ele não sobrevive.” conta Letícia.

Para quem quer levar o corpo ao máximo, sem sobrecarregar a mente, a profissional explica que é possível, sim, treinar para alta performance sem ultrapassar essa linha. A dica é ficar atento às medidas como estruturação racional do treinamento, periodização de treinos e apoio psicológico. “Cobre-se menos. Foque na satisfação em melhorar e ter a percepção do desenvolvimento, independentemente dos resultados nas competições. Alimente-se de forma adequada. Lembre-se que o descanso faz parte do processo de treinamento. Tenha momentos de lazer e relaxamento. Fale sobre suas emoções e encare os treinos e as competições como momentos alegres”, finaliza.

Conheça a profissional

Psicóloga Letícia CapuruçoLetícia Capuruço é psicóloga do Esporte e psicóloga clínica, com pós-graduação em Psicologia do Esporte. Ex-atleta, apaixonada por esportes, é amante de séries de TV e documentários. Sua busca é por mudar a forma que os clientes encaram o mundo e agem sobre ele. Para ela, a maior recompensa é vê-los evoluindo.

Deixar um comentário

Fique tranquilo que não publicamos o seu endereço de email.

Posts relacionados